ICANN61 – Dia Zero

Dia 10.03.2018

Nivaldo Cleto (*)

Em 10 de março de 2018 se iniciou o dia zero da ICANN 61, na cidade de San Juan, em Porto Rico. Após a reunião ser cancelada em 2016 devido a uma potencial ameaça do vírus zika, a ida da comunidade da ICANN à ilha se deu alguns meses após a passagem do Furacão Maria, que terraplanou partes da região e danificou todos os níveis da infraestrutura da ilha, principalmente a grade elétrica. Com um esforço conjunto entre ICANN, governo e membros da comunidade local, se tornou possível preparar uma estrutura suficientemente robusta para receber um evento com a proporção de uma Reunião A da ICANN, no chamado Community Forum.

GAC e .amazon

Em um anúncio inesperado, a delegada do Peru, Milagros Castanon, conhecida por sua postura agressiva em relação à questão do “.amazon”, anunciou sua saída da posição de vice-chair alcançada na reunião anterior, devido a uma mudança de região. A eleição de um substituto deve ser realizada durante a ICANN 62, ou na 63 durante a eleição regular, caso os membros do GAC não julguem necessário esse procedimento.

Retomando a questão da disputa do uso do sufixo “.amazon” dentro do espaço do DNS, protagonizada largamente por Brasil e a empresa estadunidense Amazon, ficou decidido após a reunião anterior que na reunião 61 seria necessária uma declaração do GAC justificando quais os motivos pelos quais a application da Amazon não poderia ser considerada válida, já que um painel independente de revisão (IRP) não havia encontrado problemas claros nela.

Benedicto Fonseca, delegado do Brasil, declarou que esse pedido foi introduzido na pauta da OTCA e discutido por seus membros, que criaram um grupo de trabalho técnico para avaliar a questão, com base na proposta de acordo apresentada pela Amazon. Ele citou então que seria necessário esperar até a metade de abril para terminarem a leitura da proposta e dar uma resposta ela. Em outras palavras, buscam continuar postergando a questão. Ele foi seguido por outros governos que reiteraram a questão.

A nova chair do GAC, a egípcia Manal Ismail, lembrou que com a aproximação rápida da reunião do GAC com a Board, uma carta deveria ser redigida delineando uma posição. Com uma resposta tímida dos governos presentes, ficou decidido que seria uma aspiração importante, mas nada foi prometido. Castanon afirmou que considerava a palavra “progresso” inadequada para definir o momento, pois isso indicaria uma negociação com a Amazon, algo que não estaria acontecendo ainda.

Outreach BC

Javier Rua-Javet, do At-Large Council, se juntou a membros da Câmara de Comércio de Porto Rico (Alicia Lamboy-Mombille, Presidente da Camara de Comércio de Pôrto Rico e o Diretor Executivo Miguel L Vargas-Jiménez) juntamente com os membros da Business Constituency para discutir aspectos centrais da condução de negócios na região.

Porto Rico dá confiança aos investidores devido a sua combinação de um jeito USA de business com um temperamento latino. Turismo é apenas 5% do PIB, com farmacêuticas e indústria pesada ocupando a parte essencial da economia da ilha, e correspondendo a 60% do PIB.

Porto Rico depende largamente de petróleo para gerar energia, e o governo precisa gastar 3 bilhões de dólares por ano na compra desse petróleo para poder então vender para a população como energia. Problemas administrativos sempre praguejaram a indústria de energia, com alto índice de corrupção, o que dificultou a reconstrução do setor.

A Câmara de Comércio de Porto Rico está buscando montar uma infraestrutura mais forte do que a que existia previamente, reconstruindo, mas também avançando os bens públicos. Conectividade ainda é um problema, e áreas economicamente ativas e com turismo estão melhores conectadas, mas o interior é um desafio. Ainda assim, existem muitos cabos de fibra passados, que precisam de investimento para serem aproveitados.

Porto Rico é uma das locações com maior uso de pagamentos eletrônicos do mundo, mas isso ficou inviabilizado após o furacão. Os provedores de cartão usaram satélites para suprir essa brecha, o que permitiu a recuperação rápida dessa fase.

Taxas federais são facilitadas para investidores externos, e preço de terras é baixo, estando particularmente baixo no momento. Muitos dos que graduam do colegial são bilíngues, e a posição geográfica entre o norte e sul do hemisfério ajuda a servir todo o continente. Ease of doing business não é tão alto, mas a vontade de parcerias é muito alta.

 

(*) Nivaldo Cleto é Conselheiro do Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br e membro da Business Constituency (ICANN)